domingo, 31 de janeiro de 2010

O dia que, enfim, chegou

É irresistível, eu não poderia deixar de registrar uma linha que fosse sobre a apresentação do Metallica ontem à noite no Morumbi. E como qualquer tentativa de relato que eu fizer não conseguirá transmitir uma noção sequer primária, ficam apenas umas breves impressões, resumido comentário deste escriba sobre um show que foi inteiro bom demais da conta.

Foram 2 horas ao longo das quais a banda conduziu o show e o público com maestria, a começar pela ordem das 18 músicas escolhidas (fizemos as contas enquanto vencíamos a pé o caminho do estádio ao carro). Ressalto aquelas nas quais o público respondeu tomando parte no espetáculo. Só o mais estoico fã conseguiria resistir às concentradas doses de Metallica e não integrar aquele coro de 68.000 vozes, que explodiu pela primeira vez no refrão de 'For Whom the Bell Tolls', ainda uma pequena amostra do que viria, mas que já imprssionava.

Aos primeiros acordes de 'Sad but True', que já me deixaram com o coração na boca, pensei 'Agora esse povo não vai deixar passar um verso'. Não deu outra. Troço lindo! (-: E ainda não seria o apogeu. 'Master of Puppets' também empolgou muito. Mas a catarse veio mesmo com 'Enter Sandman'. O coro uníssono, a plenos pulmões, braços agitados, o rox se manifestando, clímax perfeito para encerrar a primeira parte.

Em alguns instantes, igualmente memoráveis, o povo cantou mesmo quando não havia versos a entoar, apenas acompanhando as guitarras. 'Fade to Black' foi um desses momentos. Bonito demais!

Os momentos de êxtase contrastaram com outros em que o público parecia se conter. Foram bem menos pessoas que acompanharam, por exemplo, as 4 músicas do 'Death Magnetic', isso ficou muito evidente, exceção feita (mas não tanto assim!) a 'The Day That Never Comes', que nem acho uma das melhores do álbum. E mesmo nessas ocasiões, ninguém se dispersava, a julgar pela imensa quantidade de pontos luminosos produzidos pelas telas das câmeras digitais em ação e que, vistos de lá das cadeiras, pareciam formar várias constelações em meio à escuridão da pista.

Algumas surpresas cênicas foram reservadas para 'One' e 'Enter Sandman', com pirotecnia e uns lança-chamas que literalmente esquentaram o ambiente. O meu irmão ficou atento às guitarras e contou quantas foram utilizadas ao longo da apresentação, 6 pelo James Hetfield, o Kirk Hammett foi mais modesto, 4 apenas :-P

No bis, a plateia, conhecedora dos shows do Metallica, pediu em uníssono por 'Seek & Destroy'. A banda atendeu o clamor e, novamente, a participação do público, já iluminado pelos holofotes do estádio, impressionou, encerrando bem a noite. Valeu a longa espera desde o show cancelado em 2003. Valeu muito mesmo! (-:

2 comentários:

Daniel Caetano disse...

R0X!

Anônimo disse...

Maninho, Rox...